Home»Livro Taxa de Câmbio»Le Monde Diplomatique: Resenha do Livro Taxa de câmbio e política cambial no Brasil

Le Monde Diplomatique: Resenha do Livro Taxa de câmbio e política cambial no Brasil

Le Monde Diplomatique Brasil | Fernando Nogueira da Costa

Taxa de Câmbio e Política Cambial no Brasil

Pedro Rossi, um dos mais talentosos colegas da nova geração de professores do IE-UNICAMP, acaba de lançar seu primeiro livro, Taxa de Câmbio e Política Cambial no Brasil, pela FGV Editora. Isso significa que o reconhecimento profissional vai além dos seus colegas mais próximos.

O livro é excepcional em sua capacidade de síntese de assunto que se situa entre os mais complexos encontrados no conhecimento profissional dos economistas. Na Parte I, trata da taxa de câmbio em seus aspectos teóricos, históricos e conceituais. Na Parte II, refere-se ao sistema monetário internacional e as taxas de câmbio. Na Parte III, analisa a taxa de câmbio e a política cambial no Brasil.

Faz uma síntese de temas intricados como derivativos, cupom cambial e especulação. Apresenta os diferentes mercados: primário, interbancário, derivativos e offshore de reais. Mostra o significado do preço do dólar futuro e a relação entre arbitragem e o cupom cambial. Revela a motivação dos agentes no mercado futuro de câmbio. Focaliza, especialmente, o circuito especulação-arbitragem nesse mercado como o principal determinante da taxa de câmbio no mercado à vista do Brasil.

Se um longo período de apreciação da moeda nacional pode quebrar cadeias produtivas e desindustrializar, a súbita desvalorização cambial não necessariamente remonta essas cadeias e reconstrói o caminho da industrialização. Como essa medida “virtuosa” não é unilateral, ela poderia desencadear uma reação ou “guerra cambial” com os parceiros comerciais. O comércio é, no mínimo, bilateral…

A tentativa canhestra de manipular os preços relativos básicos – câmbio, juros, tarifas, tributos, salários –, no sentido de beneficiar o lucro, é a receita para “aprendiz de feiticeiro”. Resultando em conflito distributivo, não há como prever a convergência para o idealizado equilíbrio geral estável com essa manipulação!

Fernando Nogueira da Costa – Professor Titular do IE-UNICAMP.

IMG_2202

IMG_2203