Home»Trabalhos Acadêmicos»DÍVIDA PÚBLICA E FALTA DE SINERGIA ENTRE O TESOURO E O BANCO CENTRAL NO BRASIL NO PERÍODO 2004/16

DÍVIDA PÚBLICA E FALTA DE SINERGIA ENTRE O TESOURO E O BANCO CENTRAL NO BRASIL NO PERÍODO 2004/16

DÍVIDA PÚBLICA E FALTA DE SINERGIA ENTRE O TESOURO E O BANCO CENTRAL NO BRASIL NO PERÍODO 2004/16
Luiz Alberto Marques Vieira Filho e Pedro Rossi | Brazilian Keynesian Review

Resumo:

Este artigo analisa a relação entre as políticas fiscal e monetária ou ainda, sob a ótica institucional, a relação entre o Tesouro Nacional e o Banco Central no Brasil. A hipótese defendida é a de que a relação recente entre o Banco Central do Brasil e o Tesouro Nacional foi marcada pela falta de sinergia no período 2004/2015. Para isso, mostra-se que a tentativa de melhorar o perfil de dívida pública pelo Tesouro com a redução da oferta de LFTs  foi  contraposta  pelo  aumento  das  operações  compromissadas  do  Banco  Central.  Argumenta-se  que  a concorrência  das  compromissadas  aos  títulos  públicos  do  Tesouro  Nacional  implica  uma  dificuldade  na estratégia de prefixação e alongamento da dívida pública.

Palavras-chave: Teoria  Monetária  Moderna; Dívida  pública;  Bancos  centrais; Política  econômica; Operações Compromissadas.

Abstract:

This article seeks  to  analyze  the  relation  between  fiscal  and  monetary  policy,  or,  in  institutional  terms,  the relation  between  the National  Treasury and the Central Bank. The underlying  hypothesis is  that the current relationship between the Brazilian Central Bank and the National Treasury lacks synergy, making more difficult for  the  government  to  obtain  the  desired  public  debt  profile during the  years  from 2004 to 2016.It will  be shown  that  the  Treasury ́s  intent  for  better  debt  profile  was  opposite  by repurchase  agreements  issuedby Central Bankof Brazil. It will be argued that the competition of those repos to government bonds implies a difficulty in the strategy of pre-fixing and lengthening the public debt.

Acesse o Artigo

https://www.braziliankeynesianreview.org/BKR/article/view/295/184