Home»Livro Taxa de Câmbio»Falta vontade do BC para conter especulação, dizem economistas

Falta vontade do BC para conter especulação, dizem economistas

Matéria da Revista Brasileiros escrita por Mauricio Puls, faz uma síntese do debate no lançamento do meu livro e das ótimas falas da Laura Barbosa de Carvalho do Ricardo Carneiro, do André Perfeito, Antonio Correa de Lacerda e do professor Luiz Carlos Bresser-Pereira.

Revista BrasileirosMauricio Puls

No lançamento do livro Taxa de Câmbio e Política Cambial no Brasil, economistas concordam que Banco Central tem instrumentos para conter a volatilidade do real, mas não os coloca em prática

 

Debate Bresser-Pereira, Laura Carvalho, Corrêa de Lacerda, Pedro Rossi, André Perfeito e Ricardo Carneiro na Livraria da Vila, em São Paulo

O dólar comercial no Brasil fechou a última quinta-feira cotado em R$ 3,1960, no menor patamar desde julho de 2015. Meio ano atrás, em 21 de janeiro, o dólar estava em R$ 4,166. Se um investidor estrangeiro comprou reais em janeiro e os revendeu nesta sexta, lucrou  30,3%. Levando em conta que a taxa básica de juros no Brasil está em 14,25% ao ano desde setembro de 2015, se esse investidor investiu os seus reais em títulos públicos, ele pode ter conseguido um lucro bruto de 37% em apenas seis meses.

Não precisa ser assim. Em bate papo realizado na última quarta (3) em São Paulo, no lançamento do livro Taxa de Câmbio e Política Cambial no Brasil, do economista Pedro Rossi, ficou claro que o Banco Central dispõe dos instrumentos necessários para evitar essa gangorra cambial que prejudica o desenvolvimento do País. Em sua apresentação, Rossi ressaltou que a moeda brasileira é a que mais se valoriza nos momentos de boas expectativas e a que mais se desvaloriza nos momentos de crise internacional.

Em sua exposição, Antonio Corrêa de Lacerda, professor da PUC de São Paulo, chamou a atenção os prejuízos que esses movimentos especulativos trazem para a economia brasileira. Se os investidores estrangeiros aplicassem em títulos do Japão ou da Alemanha, levariam séculos para obter os rendimentos obtidos no Brasil: “Não é um mecanismo neutro. Trazer dinheiro barato de fora e especular aqui no mercado à vista e no mercado futuro proporciona lucros altíssimos. É algo importante trazer esse debate para as decisões de política econômica e quebrar o mito de que nada pode ser feito”.

Segundo Lacerda, controlar o câmbio não constitui apenas um desafio técnico, mas uma questão política, porque depende da correlação de forças vigente na sociedade. Ele destaca a importância de traçar uma política econômica que não beneficie apenas “um grupo específico, mas favoreça o desenvolvimento do País como um todo”.

Ricardo Carneiro, professor da Unicamp e ex-diretor do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), disse que Rossi mostrou que “é possível controlar a taxa de câmbio”, ao contrário do que sustentavam muitos economistas ortodoxos. Esses controles foram postos em prática em 2012, durante a gestão de Guido Mantega, e “o câmbio foi impedido de se valorizar”: “Nós mostramos, tanto do ponto de vista teórico como do ponto de vista prático, que o controle do câmbio é possível”. Se ele não é controlado, tal como ocorre hoje, é porque a volatilidade atende aos interesses dominantes.

“A contribuição decisiva do Pedro é mostrar como a taxa de câmbio no Brasil se forma no mercado futuro e é transmitida para o mercado à vista. Isso tem implicações práticas, porque agora sabemos como intervir na taxa. Só não temos a força política para fazê-lo. Mas a tese criou um instrumento de ação política muito relevante”, disse Carneiro.

André Perfeito, economista-chefe da Gradual Investimentos, ressaltou que muitos especialistas do mercado financeiro “não têm a mais vaga ideia de como se forma a taxa de câmbio. A verdade é essa. O mercado faz uma leitura excessivamente simplória dos acontecimentos. Em 2014, alguns colegas correlacionavam a desvalorização do real à subida da Dilma nas pesquisas, o que não fazia o menor sentido. A mesma coisa ocorreu neste ano: achavam que a valorização do real era um sinal de que Dilma ia sair. Não tinha nada a ver. Eles não entendem os móveis que determinam o câmbio”.

Na opinião de Perfeito, o tema é muito espinhoso: “O que estamos vendo agora uma regressão, uma volta para trás. Acho que o real vai se desvalorizar até o final do ano em razão de um projeto que a elite embarcou e que está fadado a dar muito errado”.

Laura Carvalho, professora de Economia da USP, também ressaltou o que o Brasil está adotando uma plataforma neoliberal que é cada vez mais questionada: “Houve um enorme avanço no mundo na aceitação sobre os controles de capitais, inclusive pelos economistas ortodoxos. Mesmo o Fundo Monetário Internacional publica relatórios que admitem que a livre circulação de capitais talvez não seja o melhor caminho. O Brasil está na contramão do mundo, adotando um discurso que o mundo está abandonando”.

Segundo Carvalho, o problema do Brasil é que “Banco Central controla a inflação no País, em boa parte, por meio da taxa de câmbio. Quando o câmbio desvaloriza, o dólar fica mais caro, os produtos importados ficam mais caros, o que tende a acelerar a inflação por alguns meses. O estudo do Pedro permite que a gente entenda o mecanismo para reduzir os juros sem gerar inflação de forma rápida. Controlar capitais é crucial para desvalorizar o câmbio de forma mais lenta, sem um grande impacto nos preços”.

O ex-ministro da Fazenda Luiz Carlos Bresser-Pereira, por sua vez, chamou a atenção para a necessidade de focar a análise na discussão de um problema estrutural: a tendência brasileira a ter uma moeda apreciada, o que tem impactos negativos sobre a indústria nacional: “Tenho ficado cada vez mais convencido que o juro alto e câmbio apreciado é a armadilha econômica fundamental que afeta a economia brasileira desde o Plano Real. Antes a gente não crescia por causa da inflação alta e da dívida. Mas depois que esses dois assuntos terminaram não tivemos grande crescimento”.

“E o crescimento não aconteceu”, explica Bresser, “porque sempre tivemos uma taxa de juros muito alta e uma taxa de câmbio ciclicamente apreciada. Ela não fica apreciada o tempo todo, mas permanece apreciada por ciclos”. Por exemplo, o dólar passou anos em torno de R$ 2,50 em termos reais, quando precisaria ficar em pelo menos R$ 3,80 para dar competitividade à indústria nacional. Segundo Bresser, “quando o câmbio fica apreciado por longo prazo, ele se torna o determinante fundamental do investimento. . Sempre se discute a taxa de câmbio no Brasil em razão de sua volatilidade. Ela é muito volátil, mas essa volatilidade tem uma lógica. Ela se deprecia violentamente nas crises, e depois fica vários anos apreciada”. E, com isso, condena o País ao baixo crescimento.

Link curto: http://brasileiros.com.br/c0GYc